domingo, 30 de setembro de 2012

sábado, 29 de setembro de 2012

A RTP tem mais encanto


Primeira Emissão: 29 Set 2012
Duração: 30m
Classificação: T
Prosseguindo a sua política de inovação e de serviço público, a RTP Memória vai proporcionar aos espetadores com deficiência auditiva a oportunidade de assistirem a diversos programas do seu arquivo, “traduzidos” em língua gestual, num formato completamente diferente.

Assim, teremos em estúdio a especialista Ana Sofia que irá “legendar” séries, "sitcoms", documentários, etc., de modo a que seja possível aos nossos espetadores assistirem em pé de igualdade aos nossos melhores programas.
Uma iniciativa inédita da RTP Memória, cada vez mais apostado em chegar a todos os públicos.
Um programa produzido em coprodução com a Federação Portuguesa das Associações de Surdos.
Os programas do Arquivo RTP em língua gestual.

Contigo em contradição, pode estar um grande amigo...*


A estudante matriculada na Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTIG), do Instituto Politécnico de Beja (IPB), que ficou inanimada depois de ter participado numa praxe académica na quarta-feira, já teria problemas cardíacos, confirmou ao PÚBLICO uma fonte do Hospital José Joaquim Fernandes de Beja.

Pai da caloira internada depois de praxe diz que a filha sempre foi saudável

Decorridos três dias sobre o incidente que a conduziu aos cuidados intensivos do hospital de Beja, uma jovem caloira vítima de um evento cardíaco ainda não tem diagnóstico sobre o que terá precipitado o problema, referiu a porta-voz da unidade hospitalar. A jovem está em estado crítico. 

O dom da Dislexia*

DN 29-09-2012

Quando a morte vence a bur(r)ocracia


O psiquiatra Afonso Albuquerque lamentou esta quinta-feira que muitos ex-combatentes em África, com stress de guerra, acabem por morrer antes de serem qualificados como deficientes das Forças Armadas, apesar de alguns estarem mais de dez anos à espera desta classificação, avança a agência Lusa.
Este especialista sublinhou o avanço que a legislação trouxe a Portugal, pois na altura a doença (stress de guerra) não era sequer reconhecida e não permitia ao portador a classificação de deficiente das Forças Armadas, bem como o respectivo subsídio.
Hoje, apesar de reconhecer a evolução, com “os protocolos devidamente elaborados, os técnicos a saber o que fazer e os doentes a aparecerem”, o psiquiatra lamenta que os doentes acabem por “encalhar” no sistema.
“Quando mandamos os processos para a concessão das regalias que [os doentes] têm direito como deficientes das Forças Armadas – que não são assim considerados enquanto a sua deficiência não for aceite pelo Ministério da Defesa – isso é demorado”.
Afonso Albuquerque revelou que tem casos de doentes que “duram dez, doze, 13 anos e ainda estão à espera”.
E deixou o alerta: “Estes deficientes têm uma longevidade menor e, por isso, vão morrendo. Qualquer dia não temos nenhum, ou temos muito poucos, e podem morrer sem que tenham recebido o que têm direito por lei”.
Presente neste encontro promovido pela Associação dos Deficientes das Forças Armadas (ADFA), o director-geral de pessoal e recrutamento militar do Ministério da Defesa, Alberto Coelho, garantiu que estes prazos vão seguramente ser encurtados.
O director-geral da Saúde, Francisco George, sublinhou à agência Lusa que “o sistema de saúde, em particular o serviço público, não pode ignorar a importância que representa a síndrome pós-traumática, no conjunto dos problemas de saúde mental e das doenças crónicas”.
Para Francisco George, que participou na cerimónia de abertura do seminário, estes doentes “são cidadãos que têm direitos a todos os serviços e que, no contexto da rede nacional de apoio, dispõem de vias verdes para terem acesso fácil aos tratamentos no âmbito da psiquiatria e da psicologia”.
“Temos de ter em conta, com carácter de urgência, a importância de dar respostas a este problema que não podem ser ignorados. São cidadãos que ficaram traumatizados ao serviço de um país e que de forma alguma podemos deixar de colocar numa prioridade absoluta estas questões”, disse.
O psicanalista Carlos Amaral Dias reconheceu à Lusa que as feridas dos ex-combatentes são difíceis de sarar, até porque “o tempo passa, do ponto de vista cronológico, mas o tempo psicológico, do inconsciente, mantém-se imutável”.